E-RESENHAS

04 dezembro 2006

A Inter-Relação da Teologia com a Pedagogia no Pensamento de Comenius

RESENHA
Ashbell Simonton Rédua[1]

LOPES, Edson Pereira. A inter-relação da teologia com a pedagogia no pensamento de Comenius. São Paulo: Mackenzie, 2006. 309 p.


Prof. Edson Pereira Lopes, é um dos especialistas na interdisciplinaridade entre a Teologia e a Pedagogia nas obras de Comenius. Possui graduação em Filosofia pela Faculdades Associadas do Ipiranga (1998) , graduação em Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição (1992) , especialização em Estudos Brasileiros pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1999) , mestrado em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2001) e doutorado em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (2004) . Atualmente é professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, com grande experiência na área de Ciência Política. É autor do livro O Conceito de Teologia e Pedagogia da Didática Magna de Comenius, publicado pela Editora Mackenzie, no qual analisa a principal obra de João Amós Comenius, a Didática Magna.
Neste trabalho o Prof. Edson Pereira Lopes demonstra que para a compreensão do conceito comeniano de educação é fundamental ter como pressuposto a relação mútua da teologia com a pedagogia, visto que essas ciências constituem-se a base de seu pensamento.
A obra está divida em cinco capítulos com dezessete subtítulos, mais prefácio, introdução e considerações finais. No primeiro capítulo, o autor fala das influências culturais que marcaram o pensamento de Comenius. Três fontes destaca o Prof. Edson: a renascença, os utopistas pedagógicos e a influência religiosa. Segundo ele, os conflitos devem ocupar o centro da experiência pedagógica emancipatória. É preciso vulnerabilizar e desestabilizar os
modelos da epistemologia dominante, fazendo uma hermenêutica no sentido de um resgate do sofrimento humano. É preciso produzir imagens desestabilizadoras para produzir indignação, rebeldia e inconformismo. Por isso, conhecer os conflitos históricos que geraram rupturas epistemológicas educacionais constitui-se em importante contribuição para iluminar nossa caminhada hoje.
Comenius teve importante contribuição e influência nos processos de formação, educação e pesquisa no período em que a sociedade ocidental passou do feudalismo para o modo de produção capitalista. Sua obra está ajustada ao seu tempo, dando respostas ao que o novo demandava.
Tanto suas obras pedagógicas quanto suas obras como reformador social podem, através de uma releitura, iluminar nossas necessidades de pedagogias do conflito. Sua utopia de ensinar tudo a todos, numa proposta essencialmente comunitária e participativa, pode ser fonte para a reconstrução de utopias para nossos dias.
O segundo capítulo: O Contexto histórico e a produção literária de Comenius, o autor retrata os aspectos históricos dividindo o capítulo em partes: A Moravia no limiar do século XVIII, a proposta educacional dos Irmãos Morávios e a vida e a produção literária de Comenius. A obra de Comenius é um dos patrimônios mais importantes da história da pedagogia ocidental. Sua vida, sua história, sua produção de conhecimentos, suas obras se desenrolaram na Europa central, na Morávia, no Reino da Boêmia, mais tarde Tchecoslováquia, hoje República Tcheca e Eslováquia. Comenius nasceu em 28 de março de 1592, na cidade de Uherskí Brod, filho de moleiro, oriundo de Komna, da região eslava. Mencionar estas cidades e regiões tem importância, pois elas são o centro de uma tensão político-social-religiosa da época. Lá surgiu um dos principais movimentos religiosos de contestação conhecido como Movimento Hussita, dos primórdios do século XV, liderado por João Hus. Comenius é filho dessa tradição protestante da Boêmia que contestou os abusos da Igreja e do Estado que mantinham a população dominada pelo medo e pela mentira. Esta religiosidade expressou-se em diferentes comunidades confessionais. Uma das principais foi a Unitas Fratrum, ou Comunidade dos Irmãos Morávios. Ela caracterizava-se pela pureza cristã dos costumes, fervor religioso, fraternidade entre seus integrantes. Essa comunidade buscava fortemente sua unidade, investindo num desenvolvimento educacional que atingisse todas as crianças, meninos e meninas, e todos os adultos, homens e mulheres.
O terceiro capítulo com o título de: “Os pressupostos teológicos de Comenius na didática magna”, apresentando com oito sessões subtemáticas. O Prof. :Edson neste capítulo retrata: o texto bíblico como escrito sagrado, o Ser divino, a gênese de todas as coisas – uma apologia criacionista, a concepção antropológico-teológica – o homem como microcosmo, Soteriologia comeniana, os princípios morais propostos por Comenius, a piedade cristã na concepção de Comenius e os pressupostos escatológicos de Comenius.
Neste capítulo, o Prof. Edson buscou-se avaliar o quanto a concepção teológica-pedagógica do Pai da Pedagogia Moderna, embasou sua principal obra, a Didática Magna. Comenius preocupou-se, ao escrever essa obra, em partir de sua concepção teológica do homem, ou seja, o homem como imagem e semelhança de Deus. Para Comenius, três eram os princípios que norteavam a formação do indivíduo, voltado para a sua função de glorificador de Deus: a instrução; a moral e a piedade. Desses princípios, a piedade deve ser exaltada, pois é por meio dela que o homem será conduzido ao Criador.
Objetivando a aproximação do homem a Deus, o objetivo central da educação para Comenius era tornar os homens bons cristãos - sábios no pensamento, dotados de verdadeira fé, capazes de praticar ações virtuosas estendendo-se a todos: ricos, pobres, mulheres, portadores de deficiências. Para ele, a didática é, ao mesmo tempo, processo e tratado: é tanto o ato de ensinar quanto a arte de ensinar.
Sua maior contribuição foi a Didática Magna, qual faz com que receba o título de pai da didática moderna. Resolvendo um problema de seu tempo o método, ele articula o método que é “ensinar a todos” com o objetivo central de formar o bom cristão na sabedoria, temor e fé em Deus e na piedade com práticas virtuosas se estendendo aos ricos, pobres, deficientes e mulheres.
A máxima do ideal de Comenius foi o desejo de ensinar tudo a todos e essa necessidade se sustentava na crença de que Deus, em sua infinita bondade colocava a redenção ao alcance dos seres humanos, portanto convinha educa-los corretamente, porque negar a educação ao homem é ofender ao próprio Deus e essa educação é interdisciplinar observando que quanto mais o indivíduo conhece a si mesmo, conhece as coisas de Deus.
O quarto capítulo desenvolvido pelo autor é: os pressupostos pedagógicos de Comenius na didática magna, também divido em três sessões, a saber: o método comeniano, a organização escolar e a organização escolar pansófica.
Comenius diz também que a educação deve ser aplicada a todos. Nas escolas, devem-se admitir não só os filhos dos ricos e dos próceres, mas todos, por igual, nobres e plebeus, ricos e pobres, meninos e meninas, os quais devem ser educados conjuntamente no mesmo estabelecimento. Com isso, Comenius se adiantou no seu tempo e antecipou a idéia da escola democrática unificada.
Comenius é o primeiro educador, no mundo ocidental, a interessar-se na relação ensino/aprendizagem, levando em conta haver diferença entre o ensinar e o aprender.
Salientava a importância da educação formal de crianças pequenas e preconizou a criação de escolas maternais, pois assim as crianças teriam, desde muito cedo, a oportunidade de adquirir as noções elementares do que deveriam aprender mais tarde, com profundidade.
Defendia a tese de que a educação deve começar pelos sentidos, pois as experiências sensoriais obtidas através dos objetos seriam internalizadas e, mais tarde, interpretadas pela razão. Compreensão, retenção e práticas consistiam a base de seu método didático e, por meio desses elementos, chegar-se-ia às três qualidades: erudição, virtude e religião, correspondendo às três faculdades que é preciso ter: intelecto, vontade e memória.
O alvo da escola é a formação de homens críticos e ativos na sociedade, homens que saibam conciliar sabedoria e conhecimento em suas ações. Compreendemos que só podemos atingir este ideal a partir de Deus, pois dEle provém toda boa dádiva, toda a perfeita sabedoria. Compreendendo que somente em Seu Filho encontramos todos os mistérios e toda a ciência, pois foi Ele quem tudo sabiamente criou.
O último capítulo, a inter-relação da teologia com a pedagogia da didática magna, vemos então que Comenius visava relacionar sua fé cristã reformada com a realidade e os estudos da educação.
Prof. Edson prestou um valioso serviço a educação reformada, a teologia reformada, provendo novamente as questões relacionadas a teologia e pedagogia de Comenius. É um grande trabalho na história teológica e educação reformada. É bem provável que se torne um texto padrão para as faculdades de educação tanto evangélicas como seculares, tornando muito útil na igreja como tem sino na sala de aula.

[1] Ashbell Simonton Rédua, é aluno do Curso de Validação em Teologia, oferecido pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial